Advocacia Eleitoral e PJe encerram o VIII Curso Prático de Advocacia

'marcelo-montalvao-e-marcio-conrado-iniciam-as-palestras-do-ultimo-dia-do-viii-curso-pratico-de-advocacia_1000_2070.jpg'

Marcelo Montalvão Machado, sócio do escritório Ayres Britto Consultoria Jurídica e Advocacia, e o advogado Márcio Conrado, Diretor da ESA/SE

O VIII Curso Prático de Advocacia, promovido pela Escola Superior de Advocacia (ESA), em parceria com a Ordem de Advogados do Brasil – Seccional Sergipe, foi encerrado na noite desta quinta-feira. O objetivo do curso era oferecer aos novos advogados, de forma gratuita, informações acerca de áreas advocatícias, onde há demanda no mercado.

O presidente da ESA/SE e presidente da Comissão de Direito Eleitoral (CDEl), Márcio Conrado, esteve presente na última noite do curso. Agradeceu a presença de todos e ressaltou que nessa edição, procurou-se escolher os temas que ainda não tivessem feito parte da grade dos cursos oferecidos das outras vezes. Sobre a palestra de Advocacia Eleitoral, ele destacou: “O intuito será despertar o interesses dos novos advogados pela área eleitoral”.

Marcelo Montalvão, vice-presidente da CDEl, proferiu a primeira palestra da noite, sobre o tema “Advocacia Eleitoral: uma nova perspectiva de trabalho”. Marcelo falou sobre o mercado para quem pretende ou tem interesse em atuar com o Direito Eleitoral. “É um mercado muito promissor em Sergipe, como em todo Brasil. Porque existe uma escassez muito grande de advogados na área eleitoral”, explicou. Sobre o surgimento da Lei da Ficha Limpa, elucidou: “Ampliou ainda mais o mercado, porque o controle de risco da advocacia eleitoral preventiva é uma tendência agora”, ilustrou Montalvão.

A segunda palestra da noite teve como tema o “Processo Judicial Eletrônico” (PJe), sob a orientação de João Pereira, membro da Comissão de Direito Eletrônico. João falou sobre o PJe como um todo: o que é, qual o objetivo desse novo sistema e também, um pouco de teoria para que os novos advogados que estão adentrando o mercado de trabalho possam ter a noção do que irão enfrentar no dia-a-dia. “Infelizmente, as faculdades não estão preparando os estudantes de Direito, aqueles que irão exercer o seu mister, para a realidade que nós vivemos hoje em Aracaju. Essa tarefa, as faculdades estão delegando para o mercado de trabalho. Quer dizer, está deixando para o mercado de trabalho talhar esse novo profissional”, esclareceu Pereira.

O novo advogado Hélder Montalvão definiu as palestras como específicas. “Foi possível conhecer um pouco mais sobre assuntos que não tinha muito domínio, o que foi de grande valia”, afirmou. Já João Francisco classificou as palestras como interessantes. “Para quem está começando na advocacia foi a oportunidade de adquirir mais conhecimento, pois agora, estaremos iniciando a luta para entrar no mercado de trabalho”, declarou.

Fonte: OAB/SE