Ayres Britto descarta comandar Ministério da Justiça

Ex-ministro do STF diz que encerrou vida pública; Jobim e Renan também negam voltar ao cargo

BRASÍLIA – Citado como um possível nome para o Ministério da Justiça, o ex-presidente do Supremo Tribunal Federal (STF) Carlos Ayres Britto descartou a possibilidade. Ele tem dito que encerrou a vida pública e que está feliz atuando em bancas de doutorado e fazendo palestras. Em maio do ano passado, quando Temer assumiu a Presidência, o peemedebista chegou a conversar com Ayres Britto sobre o assunto, mas assim como agora o ex-ministro considerou que já deu sua colaboração pública.

Ayres foi ministro do STF de 2003 a 2012, ano em que presidiu o Supremo e, posteriormente, se aposentou.

Nesta terça-feira, após almoço com o presidente da Argentina, Mauricio Macri, Temer disse que a escolha do substituto de Alexandre de Moraes (indicado ministro do STF), será “pessoal”.

Segundo auxiliares presidenciais, Temer gostaria de indicar para o Ministério da Justiça um nome com o perfil de Ayres Britto, do advogado Antonio Mariz, ou do ex-ministro Nelson Jobim, que também descartou ao GLOBO a possibilidade de voltar a ter um cargo no Executivo.

— Estou muito bem como advogado em São Paulo — disse Jobim.

O líder do PMDB no Senado, Renan Calheiros (AL), brincou quando perguntado se voltaria ser ministro da Justiça.

— Não costumo ocupar cargos que já ocupei, com exceção da presidente do Senado — disse Renan, sorrindo.

FONTE DA NOTÍCIA: O GLOBO

FOTO: Hudson Pontes / Agência O Globo